casava-me


Alguém me arranja o Josh Rouse, lhe rapa o cabelo para eu me conseguir apaixonar, e mo entrega aqui em casa para eu ser feliz para sempre - sorriso matinal incluído e aliança, no dedo em que é suposto estar a aliança, também?
Para ele também era fácil, bastava-me que ele vagueasse pela casa - e, é claro, eu ia esperar dele as mesmas coisas que esperaria (acrescentar verbo "esperar" em todos os tempos verbais) de qualquer outro homem, e, é claro, ele ia falhar em todas elas de forma redundantemente explícita, mas bastava-lhe - e muito rapidamente, devo acrescentar - colocar-se atrás do sofá onde eu estaria sentada de pernas à chinês, agarrada à almofada, a fazer movimentos autistas com o maior beicinho do mundo e começar a cantar Under Your Charms. É que bastava-lhe isto, e a mim também, para sermos felizes...

2 comentários:

margarida. disse...

mt sinceramente... nao sei o que farias sem mim.
:)
O rouse não ia ter pens com pastas a dizer "musica fofinha para a joana".

E DEPOIS?!

LULU disse...

so descobriste isso agora?!
ja me ando a debater com esse dilema há uns bons 2 anitos...
é que, para mim, esta dependencia é um problema. Principalmente, porque TU NAO ME CONHECES.

:)